Pessoas em situação de rua são tiradas de terreno para início da construção do SAMU

Publicado por

Em condições extremamente precárias, posto desativado abrigava pessoas há vários anos

Cecília França

Foto: Emerson Dias/NCom

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, anunciou na última segunda-feira (27) o início das obras da nova sede do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). O local, onde aconteceu a cerimônia – um antigo posto desativado na Avenida Dez de Dezembro – até poucas horas antes servia de abrigo para pessoas em situação de rua. As condições eram de altíssima insalubridade e vulnerabilidade.

Equipes das secretarias de assistência social e de saúde estiveram no local na quinta-feira anterior à ação (23) e encontraram lá oito pessoas, conforme Cláudia Denise Garcia, da Diretoria de Serviços Complementares em Saúde. O dia 27 era a data limite para a desocupação do local, uma vez que a empresa responsável pela obra cercaria o terreno a partir do meio-dia.

“As equipes já vinham fazendo atendimento a esses usuários que ficavam no posto. Na quinta passada elas foram até o local dar a informação de que seria feita a reforma, que eles precisariam se deslocar. Foi oferecido tratamento, todos os serviços nossos, também de acolhimento, e esses oito se recusaram porque disseram que já tinham se organizado e tinham para onde ir”, relata.

Na segunda-feira, antes do início da ação, os profissionais retornaram ao local, encontraram um ocupante e este aceitou encaminhamento para Comunidade

O Movimento Nacional da População de Rua (MNPR) em Londrina soube da ação apenas na segunda à tarde, depois de realizada. O movimento avalia que o local não oferecia condições mínimas de sanidade e agora busca saber o paradeiro dos que lá se encontravam.

A Lume teve acesso ao conteúdo de uma reunião realizada no dia 23, após a abordagem no local, entre profissionais da saúde e assistência. Nela consta que das oito pessoas encontradas no antigo posto, seis consentiram em realizar testes rápidos para Covid-19, uma vez que compartilharam espaço com um homem que havia testado positivo. Todos testaram negativo na oportunidade.

Os profissionais também relataram terem fornecido kits de higiene aos presentes e recebido demandas de documentos. Foi levantada a necessidade de novas abordagens no local no fim de semana anterior à ação, que foi descartada pelos participantes.

Deixe uma resposta