Pandemia evidencia caráter solidário do MST

Publicado por

Movimento já doou 480 toneladas de alimentos em todo o Paraná durante a crise sanitária; última ação do ano em Londrina ocorreu hoje (22)

Da Redação

Cerca de 1,6 mil famílias em situação de vulnerabilidade em Londrina receberam hoje cerca de 16 toneladas de alimentos doados pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Os produtos vieram dos assentamentos Eli Vive, Dorcelina Folador (Arapongas) e Maria Lara (Centenário do Sul), além dos acampamentos Zilda Arns e Manoel Jacinto Correa (Florestópolis), Herdeiros da Luta de Porecatu (Porecatu) e Fidel Castro (Centenário do Sul). A doação faz parte de uma intensa campanha solidária tocada pelo MST ao longo da pandemia.

Ceres Hadich, da coordenação nacional do MST, diz que muita gente hoje conhece o movimento pela solidariedade, mas que este sempre foi um valor presente. “A pandemia propiciou trazer para o todo da sociedade esse valor de construção solidário, que nem sempre foi evidenciado”, explica.

As cestas foram distribuídas em bairros da Zonas Norte, Sul e Leste, além de indígenas em situação de vulnerabilidade. A ação faz parte da campanha “Natal da Reforma Agrária Popular”, que ocorre até o dia 24 em todo o Paraná, em solidariedade a quem enfrenta a fome neste período de pandemia. As iniciativas também denunciam o aumento da fome e a falta de políticas públicas de apoio à agricultura familiar por parte do governo Bolsonaro, salienta o MST.

“O Brasil vem vivendo um desmonte das políticas públicas de reforma agrária desde o governo Temer. O governo Bolsonaro é anti povo em todos os setores e, no campo da reforma agrária, tem atuado em duas frentes: uma de descaracterizar o Incra (paralisando a criação de novos assentamentos), a outra de tentar promover a ‘anti reforma agrária’ dentro dos assentamentos que já existem (implementação de uma política de titulação dos assentamentos de uma forma ilegal, imoral, no sentido de desmontar o que a gente já construiu)”, afirma Ceres Hadich.

A entrega das cestas contou com o apoio do movimento Levante Popular da Juventude, Comissão Pastoral da Terra, da articulação Periferia Viva, além das lideranças das comunidades e bairros.

Em junho deste ano, as comunidades Sem Terra da região já haviam feito uma doação de 44 toneladas de alimentos em Londrina, como parte da campanha nacional de solidariedade do MST. Com as ações de hoje, o MST do Paraná chega a 480 toneladas de alimentos partilhados desde o início da pandemia da Covid 19.

(Com informações da assessoria do MST)

Deixe uma resposta