Voltar no tempo? Hoje?

Publicado por

17 meses
510 dias
Parece muito
Ou parece pouco?

Vivemos muita coisa
Ou deixamos de viver muito?

Não eram para ser só 15 dias
Muito menos pensamos que fossem ser 2 anos
Mas cá estamos nós
Um pouco mais insanos
E um pouco menos esperançosos
Mas cá estamos nós.

Parece repetitivo
Voltar sempre no mesmo assunto
Nessa pandemia infindável que nos mata
Diariamente.

E às vezes não somos nós
É o filho da vizinha
O conhecido do mercado
Mas a cada dia falta alguém em algum lugar
E a língua enrolada
Que não nos permite transformar em palavras o pensamento.

“É, ele se foi.
De que?
Covid, 1 semana internado.
Meus pêsames.”

E assim nós seguimos
Com nossos próprios medos
Nossos próprios conhecidos internados
Rezando para que não seja eu o próximo
A desferir as mesmas palavras.

Com nossos próprios demônios
Nossas próprias inseguranças
Nossos próprios “eus” irreconhecíveis
Já não somos os mesmos mesmo sendo iguais.

Será que queríamos ser iguais ao que fomos?
Será que voltaríamos no tempo?
Parece tão simples
Mas é uma decisão de um milhão de dólares
E eu não sei se sairia dessa milionário.

Perdemos muito é fato, mas sem nenhuma perspectiva de gratidão infundada, ela também nos deu muito. Não é sobre ser gratiluz, e sim reconhecer que a pandemia nos deu novas formas de encarar nossos próprios demônios e conviver com eles 24 horas por dia, alguns já até receberam nomes.
No fim, acho que eu gosto deles.

*Antonio Rodríguez, 18, estudante e poeta nas horas vagas (e algumas ocupadas também). Apaixonado pela vida, faz o máximo para transformar tudo em poesia. Mantém o Instagram @a.poetizando.me

Deixe uma resposta