Conselho pede reabertura de casa para população de rua com covid

Publicado por

Unidade foi fechada no dia 15 e há pessoas em situação de rua internadas em UPA

Nelson Bortolin

Foto: Jon Tyson/Unsplash

O Conselho Municipal de Assistência Social de Londrina pediu à Prefeitura para reabrir a casa destinada à população de rua acometida por covid ou com suspeita da doença. A unidade, que funcionou durante sete meses, foi fechada na quarta-feira (15). E, segundo o conselheiro André Luís Barbosa, há duas pessoas em situação de rua internadas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Sabará por falta de um local para ficar.

Outras sete pessoas teriam permanecido na unidade por alguns dias enquanto aguardavam o resultado do exame, que acabou dando negativo. “Não era o momento de fechar a casa. A covid está bem evidente e há pessoas mesmo vacinadas pegando a doença”, afirma o conselheiro.

Em Londrina, os indicadores da doença estão em alta. Nesta quarta-feira (22), a média móvel diária de mortes era de 6,4, a maior desde o dia 2 de julho. Já a média móvel de novos casos estava em 262. Só para se ter uma ideia, essa média esteve abaixo de 200 no período de 11 a 27 de agosto. E abaixo de 100, entre 2 e 10 de agosto.

As médias móveis são a soma dos casos dos últimos sete dias dividida por sete.

Havia 189 pessoas internadas com covid na cidade nesta quarta-feira, número também em curva ascendente.

Segundo Barbosa, a casa para a população de rua em Londrina foi criada para funcionar três meses, mas ficou aberta durante sete meses, devido à gravidade da pandemia. “Estamos apresentando pelo menos dois casos de pessoas em situação de rua com suspeita de covid todos os dias.”

Ele estima que haja 1.500 pessoas nessa condição na cidade, sendo que 570 foram vacinadas.

Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria de Assistência Social afirmou que precisou desativar a casa destinada a morador em situação de rua com covid e transformá-la numa casa de acolhimento de crianças e adolescentes. “Importante destacar, que os moradores em situação de rua com covid-19 continuam sendo atendidos na UPA, que é o local referência de atendimento para todos os moradores da cidade”, diz a secretaria.

Deixe uma resposta