Temporal agrava precariedade de famílias nas ocupações

Publicado por

Telhados, paredes e até casas inteiras caíram com os ventos de 74km/h do último sábado; saiba como ajudar

Cecília França

“Não sei nem o que fazer, é muita destruição. Desabou casa aqui inteira, estou com várias casas destelhadas, que caiu parede. Tá muito feio e não tenho como ajudar essas pessoas. Perderam os móveis, tudo as coisas da casa, as compras… Tem família sem mantimento. Nós amontoamos as famílias dentro das casas da gente, mas não tem como ficar”. O relato da líder comunitária Graça Dias, da ocupação do Primavera, zona Norte de Londrina, resume o cenário de destruição após o temporal do último sábado.

Pouco mais de um mês depois de uma forte chuva provocar vários danos nas ocupações urbanas, casas voltaram a ser destelhadas, muros e paredes caíram, residências foram alagadas durante o temporal com ventos de 74km/h. A situação agrava a precariedade de famílias como a de Pâmela Aparecida da Silva, que teve a casa invadida pela água na ocupação do Marieta.

“Aqui destelhou muita casa. Entrou água dentro da minha, foi feio. E foi estrago pra todo lado (da cidade)”, diz ela. O representante do Movimento Nacional dos Direitos Humanos (MNDH), Carlos Enrique Santana, esteve em algumas comunidades e registrou estragos no Primavera, Flores do Campo e no Aparecidinha. Ele pede apoio da população para ajudar as famílias com materiais para a reconstrução ou reparos das casas e com alimentos.

“Pedimos aos cidadãos de Londrina que puderem visitar estas famílias em vulnerabilidade e puderem ajudar com telhas e madeiras, para reconstruir seus barracos, que foram destruídos”. Quem puder contribuir pode entrar em cotnato pelo telefone (43) 99136-4425.

Leia mais: Saiba como ajudar as vítimas da tempestade

Defesa Civil registra 74 destelhamentos

O último balanço da Defesa Civil, fechado às 16h48 deste domingo, contabiliza 74 destelhamentos, quatro deslizamentos, três solicitações de vistoria e uma ocorrência de alagamento. Outros 170 chamados informaram quedas de árvores. A maioria das ocorrências estão concentradas na zona norte, 113.

Para as famílias com casas destelhadas a Defesa Civil está entregando lonas, mas é preciso ir buscar em um dos quatro pontos: Base da Guarda Municipal na zona norte, localizada na avenida Saul Elkind esquina com a rua Joaquina de Oliveira Perfeito; na zona leste, rotatória da avenida Jamil Scaff esquina com a avenida Máximo Peres Garcia; Base da Defesa Civil Municipal, localizado na rua da Canoagem, às margens do lago Igapó, em frente ao palco flutuante.

Um comentário

Deixe uma resposta