Londrina terá dois atos no Dia da Consciência Negra

Publicado por

Manifestantes denunciam carestia, aumento da fome e pedem o fim do governo Bolsonaro

Da Redação

Foto em destaque: Ato realizado em julho de 2021/Isaac Fontana

Neste sábado, Dia da Consciência Negra, manifestantes voltam às ruas de todo o país em atos contra o governo de Jair Bolsonaro. Em Londrina estão programadas duas manifestações: uma pela manhã, às 9h, outra a tarde, às 17h. A primeira é organizada pelo Comitê Unificado e o Coletivo de Sindicatos; o segundo, pela Frente Classista e Combativa.

Para divulgar o ato da manhã, voluntários estão realizando panfletagem desde ontem (18) e seguem hoje, no Terminal Central e no Calçadão, informando à população os motivos para irem às ruas. Dentre eles, elencam: a necessidade de evideciar a luta do povo negro contra a escravidão, o racismo e a marginalização; o caráter fascista do atual governo federal; o combate à violência policial; o descaso na gestão da pandemia; o retorno da fome ao Brasil e a perda de direitos sociais e trabalhistas.

Nas redes sociais, o Comitê Unificado faz o chamado: “Leve sua bandeira, seu cartaz para defenderemos a igualdade racial, a vida, a democracia e o emprego, contra a carestia e a fome.”

A Frente Classista e Combativa convoca participantes para concentração em frente às lojas Pernambucanas, no Calçadão, às 17h. Nas redes sociais a Ação Antifascista, uma das integrantes do grupo, explica o motivo da manifestação: “Estaremos nas ruas contra a fome, o desemprego e a falta de moradia digna e a violência policial, mazelas geradas pelos Estado capitalista e racista que visam o lucro acima da vida e assolam o povo negro de norte a sul do país.”

Classificando o governo Bolsonaro como fascista, a AFA acentua que a atual gestão apronfundou e assentuou o desapmaro e a violência do Estado para com a classe trabalhadora, “aumentando exponencialmente o lucro dos ricos e encarecendo as necessidades básicas cotidianas do povo trabalhador, como climentos, água, luz, combustíveis e transporte público.”

Deixe uma resposta