A volta dos abraços literários

Publicado por

Os muros foram, finalmente, derrubados. Os livros estão voltando para as ruas depois de dois anos aprisionados nas compras online. Pipocam como páginas impressas os eventos literários pelo país e o mundo. No ano passado já ocorreram encontros, como a Bienal do Livro do Rio, a Festa Literária de Tiradentes (MG) e outros, mas é neste 2022 que os leitores são conclamados, aos quatro cantos, a voltarem para as feiras e festas em torno das obras de ficção – e não ficção.

A Bienal Mineira do Livro começa dia 13 deste mês e vai até dia 22, depois de dois adiamentos. Os feirantes estavam preparados para 2020 e foram convencidos de que no ano seguinte seria possível montar os estandes, mas só agora estão se dirigindo ao BH Shopping para o encontro que os organizadores fazem questão de frisar como “real”. Da mesma forma, São Paulo prepara para julho aquele que costuma ser o maior evento de livros do país, a sua Bienal. Antes dela, a Feira do Livro promovida pela Revista 451, na praça Charles Miller, em frente ao estádio do Pacaembu, já está com lotação quase esgotada e a data é de 8 a 12 de junho. No estado, outra feira de grande movimento, a da USP, em novembro, também deve sair das telas de computador e celular e proporcionar o retorno do presencial.

A Bienal de Brasília em setembro já abre inscrições, assim como feiras menores que estavam esquecidas ou realizadas no modo virtual alugam espaços, vendem estandes, contratam montadores, eletricistas, empresas de internet e de móveis. Há um frisson e uma esperança. Se lançamentos em livrarias e espaços culturais vão aos poucos proporcionando os abraços, se as máscaras vão caindo, espera-se o sucesso dos eventos literários.

Importante para os editores, e consequentemente para os escritores que recebem seus direitos autorais, são os vales-livros custeados pelo poder público. Prefeituras e estados – não todos, evidentemente e tristemente – levam seus alunos de volta aos grandes eventos literários. Está aí uma política de suma importância que a pandemia não permitiu. Não que não fosse possível distribuir vales para os estudantes realizarem suas compras pela internet, mas fato é que não há muito esforço nesse sentido. Nas bienais fica mais evidente a necessidade de transferir a rota dos ônibus escolares para o palco dos livros.

Que a volta dos presenciais represente a valorização do livro físico e da compra presencial. Enquanto livrarias fecham e livrarias são abertas, os encontros em torno do livro exalam o cheiro bom do livro.

* Leida Reis é autora de oito livros publicados – dentre eles o romance “A invenção do crime” pela editora Record e “A casa dos poetas minerais” -, sendo três para crianças. Criadora do Clube do Livro Infantil Solidário (Clis) e da Mercearioteca (biblioteca comunitáriem BH), fundadora da Páginas Editora, com experiência em curadoria de eventos literários e jurada de prêmios. É também jornalista formada pela UFMG, com 27 anos de atuação.

Leia também:

Quem tem direito à humanidade na guerra?

Deixe uma resposta