Tropeço

Não podemos mais, em pleno século XXI, ‘demonizar’ livros, bani-los de suas casas, à própria sorte de condenados à fogueira das vaidades, cinzas existencialistas